Fotos de algumas construções Ciclópicas italianas

Essas estruturas são também conhecidas como muros pelásgicos, pois muitos estudiosos acreditam que são obras de um antiquíssimo povo, que protagonizou uma série de supostas lendas e tradições a respeito da proveniência das primeiras civilizações italianas e os possíveis contatos entre elas.

Aos pelasgos – povos vindos do mar – existem diversas associações que vão desde os gigantes ciclopes até prováveis populações (anacronicamente) tecnológicas que teriam habitado a península itálica durante a Idade do Bronze, até mesmo em um período anterior. Além disso, existe uma ligação desse povo com a desconhecida origem de outros povos orientais, o que muitos acreditam serem sobreviventes a um grande desastre natural ou cataclismo, ou mesmo oriundos do “continente perdido” de Atlântida.

De uma forma geral, a paisagem onde se encontram essas estruturas pode sugerir uma perfeita relação que seus antigos habitantes poderiam ter com a natureza. Essa influência os envolveria em um universo mitológico, o qual tem sido transmitido em forma de contos que ilustrariam a origem do território central italiano desses megálitos – ou “Terra de Saturno”, assim chamada pelo poeta clássico Virgílio[1].

Diante disso, alguns estudiosos até mesmo concordam com a possibilidade da existência de civilizações avançadas que povoaram a Itália central muito antes dos antigos etruscos e que, portanto, tornaram-se misteriosas, em virtude do desconhecimento do que ou de quem fossem seus povos, assim como de onde viriam. Certamente, foram hábeis construtores, dotados de uma mente engenhosa, com conhecimentos extraordinários, e de surpreendente força ou suposta tecnologia para erguer grandes pedras, a ponto de também alinhá-las com precisão astronômica.  Essas inúmeras construções marcam o registro de um período singular sobre a história das civilizações do mediterrâneo.

Curiosamente, a presença dessas construções ciclópicas nessa região e a história das primitivas civilizações do Lacio não encontram limites para entusiastas que também as conectam com algum tipo de estranho contato entre os primeiros povos italianos e antigos extraterrestres!

A seguir, vocês podem conferir algumas imagens desse misterioso tesouro arqueológico que pode ser visitado gratuitamente:

Alatri
Vista da entrada principal da Acrópole de Alatri. Foto: ©Dayana Mello
Alatri
A acrópole de Alatri com o passar dos séculos foi bem preservada, sendo “reestruturada” durante a Idade Média. Foto:©Dayana Mello
Alatri
Mais detalhe da técnica poligonal em Alatri. Foto:©Dayana Mello
Alatri
A Acrópole de Alatri, desde o século XIX, é considerada a principal estrutura megalítica do Lácio também devido à sua preservação. Vista da Porta Menor. Foto: ©Dayana Mello
Alatri
Porta Maior ou Porta Maggiore, com cerca de 4,5 m de altura, Alatri. Foto: ©Dayana Mello
Alatri
Ponto mais alto da Acrópole de Alatri, conhecido como “Pizzo Pizzale”. Foto: ©Dayana Mello
Alatri
Os muros de Alatri vistos de um dos pontos mais altos da Acrópole. Foto: ©Dayana Mello
Alatri
Escultura de três falos na Arquitrave da Porta Menor, Alatri. Foto: ©Dayana Mello
Alatri
Técnica Poligonal e detalhe de encaixe das pedras, em Alatri. Foto:©Dayana Mello
Ferrentino
Vista geral da muralha ciclópica de Ferrentino. É um exemplo clássico de estrutura megalítica englobada por edifícios históricos, dentro da cidade. Foto: ©Dayana Mello
Ferrentino
Técnica Poligonal em Ferrentino. Foto: ©Dayana Mello
Ferrentino
Detalhe de estrutura megalítica em Ferrentino. Foto: ©Dayana Mello
Ferrentino
Porta Sanguinária, Ferrentino. Recebe esse nome devido aos antigos prisioneiros condenados que passavam por essa estrutura antes de serem executados. É possível notar, na estrutura, três diferentes técnicas de construção: caracterizadas como pré-romana, romana e medieval. A base poligonal, de época pré-romana, originalmente, possuía uma arquitrave que foi substituída por um arco romano. A parte intermediária corresponderia à construção romana e a superior está situada em época medieval. Foto:©Dayana Mello
Ferrentino
Construção poligonal ciclópica em Ferrentino. Foto:©Dayana Mello
Norba
Os misteriosos muros Megalíticos do Lácio e sua curiosa tecnologia que atravessa milênios têm intrigado pesquisadores. Na foto, parte de muro ciclópico em Norba. Foto: ©Dayana Mello
Norba
Os muros de Norba encontram-se no alto do monte Lepini e fazem parte do Parque Arqueológico de Norba. Foto:©Dayana Mello
Norba
Restos de Norba. Foto:©Dayana Mello
Norba
Mais detalhe do muro ciclópico de Norba. Foto:©Dayana Mello
Norba
Detalhe de Muro Ciclópico em Norba. Foto:©Dayana Mello
Norba
Porta Maior, antiga Norba. Foto: ©Dayana Mello
Norba
Restos dos muros poligonais de Norba. Foto: ©Dayana Mello
Segni
Vista da parte externa da Porta Saracena, em Segni. Muitos estudiosos a conectam com a estrutura megalítica da Porta dos Leões, em Micenas. Foto:©Dayana Mello
Segni
Porta Saracena. Muro Ciclópico de Segni, província de Roma. Foto:©Dayana Mello
Segni
Restos dos Muros de Segni. Foto: ©Dayana Mello.
Segni
Toda beleza e mistério dos muros de Segni. Foto: ©Dayana Mello

 

 


[1] Saturnia Tellus (Terra de Saturno) seria um território “mágico”, uma terra repleta de simbologias, onde em todos os lugares, sobretudo em suas construções megalíticas, haveria uma representação dos mitos e do cosmos. É, por isso, uma terra com bases mitológicas, intimamente conectada ao que diz a tradição a respeito de uma Idade do Ouro ou uma época de prosperidades. Mesmo que a denominem “mitológica” – relacionada ao mito de Saturno – é comprovado que naquela região, a civilização que alí se estabeleceu também desenvolveu um comércio com matérias-primas, com minerais de cobre e de ferro, além da utilização da agricultura, produzindo uma terra rica e florida, tal como é caracterizada a Era do Ouro.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s